19 de outubro de 2018

Nabantina e Gualdim Pais





« .... Ficou existindo sempre uma velha rivalidade entre a população das duas margens, facto que se justificaria aqui bastantemente por uma natural emulação entre o passado e o presente, mas que aliás é vulgar em outras cidades e villas.
...
Os thomarenses designam os habitantes de Além da Ponte pelo epitheto irónico de «hespanhoes» e ao bairro d'aquella margem dá o povo da cidade o nome de Hespanha, desdenhosamente. N'outro tempo a rivalidade era mais viva e fasanhuda. Havia frequentes conflictos, tiroteio de impropérios e  de pedradas.
Hoje ainda se armam alguns motins nocturnos, por causa das raparigas que trabalham na Real Fabrica de Fiação, situada na margem esquerda, e por causa do antagonismo das philarmonicas.
As operarias, que são das aldeias próximas, pernoitam durante a semana em Além da Ponte e só ao domingo vão a casa.
Rapazes da margem esquerda e rapazes da margem direita requestam-nas á porfia. D'esta concorrência amorosa resultam altercações, pugilatos, "pancadaria".
Os hespanhoes teem a sua philarmonica, que se intitula «Gualdim Paes».Os thomarenses teem outra philarmonica, que se chama «Nabantina». Custa-me não poder dizer, para evitar a pornographia, a designação popular de uma e outra philarmonica.
Quando os músicos da «Gualdim Paes» ou da «Nabantina» estão fardados, acham-se sempre em occasião próxima de se desfeitearem uns aos outros. O uniforme dá-lhes bravura.
Ha annos, encontrando-se as duas philarmonicas em uma festa na freguezia de S. Miguel de Carregueiros, pegaram-se uma com a outra e quem salvou a situação foi uma mulher de Thomar, que varreu a feira, pondo em debandada os bravos antagonistas. Esta mulher ainda hoje vive. Chamam-lhe, e com razão, «Padeira de Aljubarrota».
Fora da formatura, despida a farda, a rivalidade afroixa. Há rapazes de «Além da Ponte» que fazem parte da Philarmonica Nabantina, e rapazes da cidade alistados na Philarmonica Gualdim Paes..

(Alberto Pimentel, "Portugal Pittoresco e Illustrado, A Extremadura Portuguesa, Primeira Parte, O Ribatejo", pag. 423 a 452,. Empreza da História de Portugal, Lisboa, 1908



Assim descrevia em 1904, Alberto Pimentel, as relações, entre as gentes das duas margens do rio, em Tomar, e entre os músicos das duas filarmónicas: A Nabantina e a Gualdim Pais. Quem não se lembra de as ver desfilar debaixo de girândolas e foguetes no largo da estação de Paialvo a acolher personalidades, ou nas saudosas marches aux flambaux  ao cair do luar, aqui, neste blog, no final do sec.XIX ? Pois, elas são já centenárias, a Nabantina desde 1874, a Gualdim Pais sucessora da "Thomarense" desde 1877!

Nem na minha geração, nem sequer na de meus pais, se verificavam já episódios como os descritos. Mas lembro-me de ouvir falar neles aos velhos do meu tempo, como coisas de velhos dos tempos deles. Ainda os ouvi dizer, como graça, "para Espanha só depois de morto" (porque, diga-se para quem não é tomarense, em "espanha" se localizava o cemitério), quando já era "bem" e moderno morar-se em "além da ponte" e a cidade ameaçava estender-se maioritariamente para aquele lado, como depois se concretizou e com tal intensidade que a outra margem definha e quase morre, não fora o ter-se tornado numa montra de pechisbeque para turistas! Um fim de vida muito, muito triste. Pelo menos para mim!
Quanto às duas bandas, a coisa passava-se como o autor conta. As minhas duas avós, cada uma delas moradora na sua margem do rio, uma no Alto do Pissarra, a outra na Rua Larga (de além da ponte) depois republicanamente crismada de Marquês de Pombal, as duas circulavam sem qualquer obstáculo entre os bailes das duas colectividades. A avó materna, descendente de comerciantes e artífices, de além da ponte,  associados da Gualdim Pais, casou-se com um homem da Nabantina, e todos os homens da família, mesmo os da família dela, passaram a ser músicos desta última. A cidade era só uma, e as rivalidades das filarmónicas era um assunto lá delas, e, justamente, só quando estavam fardados!
Talvez por o meu avô ter sido dirigente da Nabantina (ainda lá continua, na galeria de retratos, no seu quadro de esquadria à banda, sempre me lembro de olhar e ter vontade de o ir endireitar, não fosse a altura que mo impede) a minha mãe, em 1974, esteve presente na cerimónia de celebração do centenário e eu acompanhei-a.
Foi uma cerimónia como tantas, com discursos, comoções, brincadeiras e banda a tocar solenemente,  num salão a transbordar de gente, já não me lembro bem da cronologia. Sei que, a dado momento, estavam sentados, na mesa de honra, entre outros, o dr. Fernando (Nini) Ferreira e o dr.  Manuel Guimarães que apresentava um livro do primeiro, sobre precisamente a homenageada, intitulado "Anais da Sociedade Banda Republicana Marcial Nabantina."




Depois das palavras da ordem sobre o autor e a obra, Manuel Guimarães termina anunciando que há meia dúzia de exemplares do livro, autografado pelo autor,  para oferecer. Seria contemplado quem fizesse  as melhores quadras, que teriam que conter obrigatoriamente o verso "e a Nabantina a tocar", e toda a assistência foi convidada  a concorrer.
Imediatamente, começa uma batalha verbal, sussurada, entre mãe (a minha) e filha, para que eu produzisse uma quadra, "coisa simples", "que não me custaria nada" pois, era garantido para a progenitora, " que íamos ganhar o livro", assim aparecesse a quadra.
Ora eu, que, hoje, concordo  com ela, não que a vitória estivesse certa, mas que não se estava a pedir nenhum poema, nenhuma obra de arte, mas apenas uma pequena graça que serviria para homenagear a Nabantina, não tinha, na época, nem idade nem cabeça, para alcançar essa leveza das coisas. Tudo era sério e tinha de ser perfeito. Fazer uma quadra? Eu não fazia quadras! Fazer qualquer coisa? Eu não fazia qualquer coisa, ou fazia ou não fazia! E, agarrada à arrogância da certeza e perfeição de tudo,  que é apanágio dos jovens, e dos  aborrecidos pior ainda, sim, porque eu era uma chata (em poucas coisas, é verdade, mas nessa era), mantive-me na minha. Mas a minha mãe tinha ainda a última cartada, e jogou, jogou aquela carta certeira que há-de existir sempre no baralho das mães, enquanto houver mães, a chantagem: - Muito bem, não fazes. Podíamos sair daqui com o livro. Era uma homenagem ao teu avô, que adorava a Nabantina e para quem seria um orgulho saber que a neta escrevera uma quadra sobre ela. Mas esse teu feitio de só fazeres o que queres e não pensares nos outros, só consegue dar desgostos a quem confia em ti!
E é preciso dizer o resultado? Lá levámos o livro para casa. (MFM)







                                 

17 de outubro de 2018

Coisas muito penosas




                                                             
Retirado de Malomil , o Blog que "Porto da Lage" gostaria de ser, quando for grande.

Criados que fomos, todos nós, os portugueses, a nos considerarmos os piores em tudo, e a sabermos que as piores coisas acontecem "só neste país" já devíamos ter esgotado toda a lista de culpas das desgraças e malfeitorias deste mundo no presente, passado e, sobretudo, no futuro, quando, mal nos precatamos, nos aparece uma nova. Descobrimos agora, não que traficámos escravos, que isso, caramba, até o Infante D.Henrique soube, ao assistir, em Lagos, aos gritos lancinantes das mães provenientes de Cabo Branco, ao serem  apartadas dos filhos (e até aprendíamos isto na escola, ah manuais ocultadores desprezíveis!), mas que ainda não tínhamos expiado convenientemente esse vil pecado pois, como filhos dilectos da santa inquisição, que muitos de nós são, foi escrupulosamente verificado que ainda não tínhamos sido postos a tratos, relaxados ao braço da justiça e sujeitos a autos de fé pelo motivo em causa, pelo que urge fazê-lo rapidamente.

Por isso, à semelhança daquele santo tribunal, também agora se preparam outros, pelos quais esperamos para ser julgados. Os quais, como bons tribunais, precisam das formais provas e declarações!

Nessa conformidade, eu, na minha humildade, aqui junto uma. Prova inequívoca que no ano de 1620, reinando Felipe III de Espanha, havia escravos na freguesia da Madalena, termo de Tomar, Estremadura, Reino de Portugal. Para que, um dia destes, quando a auto-flagelação geral for promovida e compungidamente cumprida, não escape ninguém, e, todos, fregueses da Madalena incluídos, desfilemos, amargurados mas felizes, a cumprir a nossa eterna e irremissível pena pelo pecado de termos nascido portugueses. (MFM)




 Retirado daqui 




No mesmo dia, mês e era supra ( 6 de Setembro de 1620) baptisou o mesmo padre (padre frei Aleixo Fernandes, coadjutor) a Agostinho, filho de Francisco do Couto, solteiro e de Antónia, escrava de Pedro Álvares de Abreu, foram compadres Frutuoso Carvalho e Domingas Luís todos da quinta e desta freguesia da Madalena. Assina Frei Alexandre Bastos


Personagens em presença: 

- Pedro Alvares de Abreu, Senhor do Morgado e Quinta da Beselga (actualmente chamada vulgarmente Quinta de Cima) "que tomou o nome desta ribeira que passa junto dela nesta freguesia de Santa Maria  Madalena", conforme é referido na pag.175 do tomo III da obra "da Corografia Portuguesa", que também nos conta que aquele era filho de António de Abreu, fidalgo da casa real, cavaleiro de Cristo, Capitão Mor das Naus das Índias (em quem falam as Décadas de João de Barros) e padroeiro do Convento de Santa Cita de Religiosos Recoletos da Ordem de S.Francisco. Ao descendente desta família atribuiu o  rei D. Luís, em 1864, o título de "Conde de Nova Goa". A quinta ainda está na posse desta família. Acusada de descendentes de esclavagistas!

- O pequeno Agostinho, o pai Francisco do Couto (homem livre, de contrário seria referido) e a escrava Antónia: deles nada sabemos, terão sobrevivido, tido descendência, que andará por aí, nossa contemporânea, anónima,  acusada de descendentes de esclavagistas.




Nota:  Em 1761 o Marquês de Pombal proibiu a entrada de novos escravos em Portugal Continental, parece que estavam a fazer falta noutros territórios do império português onde a necessidade da sua força de trabalho se fazia mais sentir ! É aquela a data anunciada como o "fim" da escravatura em Portugal, e por isso este se considera o primeiro país do mundo a fazê-lo. As razões não foram bonitas mas ...melhor que nada.

Esta questão, do grande boom de escravos e do consequente decréscimo - do sec. XVII até meados do sec. XVIII- é notória nos registos paroquiais de Santa Maria dos Olivais,Tomar (até agora encontrei cerca de oitenta assentos, alguns de "pretos livres"), sendo os seus proprietários, maioritariamente a Ordem de Cristo e o clero da vila, além de algumas pessoas de "algo" e também  artífices possuíssem escravos (a origem social não era determinante, desde que houvesse dinheiro...).

Nos nossos dias calcula-se que haja 40 milhões de seres humanos vítimas de escravatura , isto sim, deve merecer toda a nossa revolta e envidar todos os esforços para acabar com este crime abjecto, porque vale a pena lutar quando ainda vamos a tempo!

15 de outubro de 2018

Nome de rua








- Ah, como a rua - observou o homem enquanto escrevia o meu nome.
Foi a primeira vez, em toda a minha vida, em Porto da Lage, que alguém reagiu assim (e era raro não reagirem) perante o meu sobrenome. Se a Ciência se preocupasse com isto chamar-lhe-ia mudança de paradigma, e alguns pedantes também. Eu e o resto das pessoas comuns chamamos-lhe "passagem do tempo" que leva  vidas e as memórias com elas. Permanece o escrito na pedra. (MFM)

12 de outubro de 2018

Mais viajantes por Paialvo


















A obra LISBON & Cintra / Illustrated by Stanley Inchbold. London: Chatto & Windus, 1907 é um livro  de viagens que dedica grande parte da sua descrição a Lisboa e Sintra,embora percorra também outras cidades e vilas portuguesas como Évora, Santarem, Coimbra, Porto, Braga, Tomar e outras, fazendo váriadas  incursões sobre o legado e personalidades históricas de Portugal. Apesar de o título fazer apenas referência ao autor das ilustrações, talvez por ser alguém consagrado na sua arte, não deixa de ter valor o texto,  da autoria de sua mulher A.Cunnick Inchbold (MFM).




10 de outubro de 2018

A Diligência










                     









        Tojos e Rosmaninhos, Contos da Serra (cap.II). Alfredo Keil, A Editora, Lisboa, , 1907

NOTAS DO TEXTO:
1) Valles-região comprehendida entre Ferreira do Zêzere, Payo Mendes, Valle Serrão, Besteiros, etc.. No lugar designado Besteira de Cima, junto à estrada, é que se faz a muda do gado à diligência que vem de Tomar e segue para a Certã, existe também uma pousada onde os passageiros encontram agradável conforto. 
2) Manganaz- Alcunha do engatador da Companhia de Viação Thomarense.

Para verificar o estado actual dos locais referidos, consultar aqui e aqui 

8 de outubro de 2018

O Guia Oficial e o Serviço de Diligências directamente de Paialvo



Retirado também da entrada da Wikipédia que já aqui referi, foi este Guia Oficial dos Caminhos de Ferro de Portugal, de Outubro de 1913. Na única publicação autorizada pelas direções, pela módica quantia de 60 réis, obtinham-se 162 páginas repletas de toda a informação nacional e internacional (ah pois! quer ir a Londres a negócios, a Nice "vivre la vie", directamente, com todo o conforto? dizemos-lhe como) sobre linhas de comboios, horários, preços, tudo o que podia interessar a um viajante da época e que agora faz vibrar um amante destas coisas. O que, sempre vou adiantando porque tenho muito medo de ser mal-entendida, não é o meu caso. A bem do rigor histórico que desejo que impere em Porto da Lage (nos dois, blog e localidade) lá vou pesquisando sobre estações e comboios, mas q.b. com o sofrível imprescindível interesse, pois, tenho que confessar que, quer umas quer outros (embora me encante toda a iconografia associada, e a infantil sobremaneira) não são propriamente "a praia" das minhas paixões e o meu conhecimento sobre eles é muito diminuto.
Parêntesis feitos, adianto que o "Guia Oficial", acho eu, só por si, é capaz de contemplar todos os gostos e de animar quem o folheia, por diversos motivos, entre eles aquele que aqui nos trás .







Pois imaginem que, em 1913, e sem recurso, por exemplo, ao mappy, um dos meus leitores, morador em Porto da Lage, queria sair de sua casa, apanhar o comboio e dirigir-se, quem sabe, vamos lá ver, à Rua. Perfeitamente natural, nada do outro mundo, querer-se ir a Rua, tem-se lá amigos, parentes, negócios. Mas como? Muito simples, consulta-se o "Guia Oficial", procura-se Rua no Serviço de Diligências, fácil, vai-se ao "r" , está por ordem alfabética. Lá está: Rua. Pronto, fica a saber que só tem que  tirar um bilhete para Celorico, na sua estação e meter-se no comboio. Lá chegado (os entretantos também se consultam no "Guia" mas, por favor poupem-me, eu já contei das minhas fraquezas, os senhores farão o favor de ir ver de horários, linhas, transbordos e demais incómodos necessários), lá chegado, dizia eu, bastará tomar a diligência, que vos esperará no horário da chegada do comboio, quase garanto, apesar de se estar avisado da impossibilidade da precisão do mesmo, há-de ser assim, de outra forma para que servirá a diligência? será o lógico, ou então este é uma batata (andava ansiosa para pôr isto em qualquer lado- saudades da juventude sabem? dizia-se assim quando eu era jovem, que já foi depois de 1913, mas não tanto, por isso não sei se ainda se usa).





                                        









De igual modo, quem queria dirigir-se a Certã, Cercal, Maçãs de D.Maria, Cernache do Bonjardim, Valles (caso de Alfredo Keil, anteriormente, pois morreu em 1907), Águas de Todo o Ano, etc, proveniente de  qualquer local do país, ou da Europa, só tinha que vir de comboio até Paialvo e aqui apanhar a sua diligência.

Voltando ao nosso Guia Oficial o que nele atrai, mal o folheamos, é todo o apelo ao prazer, à distracção, ao cosmopolitismo, a uma boa vida, enfim. O que não é de estranhar. Trata-se de um guião com finalidade turística e lembremos-nos que se vivia então a Belle Epoque, quem podia vivia um clima intelectual e artístico novo com toda a promessa de inovações culturais, cientificas, de desenvolvimento, em particular dos meios de comunicação e transporte que aproximavam o mundo todoOs "Grande hotel" de cidades grandes, pequenas, das termas, sucedem-se, os "vapores" partem semanalmente para todos os continentes, com os seus telégrafos instalados, " Os específicos de Henrique E.N.Santos" garantiam, com o Lindacutis, o Dermor e o Blenol, o tratamento das mais variadas maleitas e a "Casa Chineza" os melhores chás e cafés, que já não vende, é certo, mas está perdoada, porque, no ano da graça de N.S.J.C. de 2018, ainda lá continua, com o mesmo símbolo, em frente do Monte Pio, e com as melhores Brisas de ovos de Lisboa!(MFM)

































1 de outubro de 2018

Charles Aznavour




A partir de certa idade a gente morre aos bocadinhos. Cada vez que desaparecem pedaços destes, lá vai mais um pouco. (MFM)

« Casas para Habitação de Pessoal »



Hoje.escreve-se "estação de Paialvo" no google, e aparece logo, na Wikipédia: "Esta interface faz parte do troço entre Entroncamento e Soure, da Linha do Norte, que abriu à exploração em 22 de Maio de 1864".

Mas nem sempre foi assim. Quando, há mais de seis anos, começou a aventura deste blog, não havia nada, mas nada mesmo, onde alguém, do grande público, pudesse fazer uma consulta sobre a história do caminho de ferro em Portugal, quanto mais sobre a "Estação de Paialvo". Sabia-se que aquele tinha tido início em 1856 (tinham-se comemorado os 150 anos em 2006) e que a estação de Campanhã se inaugurara em 1875. Destas datas, tinha-se conhecimento das dificuldades de percurso e das grandes celebrações ocorridas. Do que ocorrera entretanto, desconhecimento total, será que se levara 19 anos a construí-lo e só depois arrancara? Pelo menos, a mim, era o que me parecia. Sabia que a construção da linha férrea em Porto da Lage estava em curso, consultando os Anais do Município de Tomar, mas começara a funcionar quando? E procurar onde? Quando, por acaso, li que o corpo de José Estêvão tinha sido transportado de comboio de Lisboa para Aveiro, em 1864, para ali se realizar o seu funeral, pensei - Espera, então já havia linha a funcionar, e tinha que passar por Porto da Lage! E foi assim, e a partir deste dado, que uma cidadã ignorante, que consulta os motores de busca digitais, é verdade, mas também enciclopédias e publicações genéricas, ficou a saber do processo e datas do funcionamento da linha do Norte nos primeiros anos, o que não estava ao alcance de toda a gente, como disse. Mesmo assim, depois de ter sabido da existência da "Gazeta dos Caminhos de Ferro" e de a ter procurado consultar, ainda não fui capaz de dizer aqui, a data exacta, não sabia, apenas mencionei o ano, só mais tarde falei nisso.





Resultado de imagem para bairro ferroviário entroncamento




Voltando à "estação de Paialvo"  na Wikipédia. Daqui, nas referências, retirei das  Efemérides da Gazeta dos Caminhos de Ferro de 1 de Abril de 1939, a notícia, abaixo, de 1915, sobre a "construção de casas para habitação de pessoal". Mais uma achega para a história de P.L. Seriam as casas que todos conhecemos e que foram derrubadas há perto de duas décadas? Sem fotos daquelas para aqui mostrar (alguém tem?) socorro-me de outras, de casas arruinadas ou reabilitadas, exemplo de edifícios construídos pela CP para habitação dos ferroviários (MFM).




1915









                                                    (fotografias retiradas daqui  e  daqui )


28 de setembro de 2018

Dulcinda Teixeira



E, por falar em Dulcinda. ..






Nestes dias, em que a saúde lhe tem pregado partidas e o veículo está parado, recordamo-lo aqui para a entusiasmar a pôr-se boa depressa. Faz muita falta a Porto da Lage ( em mais localidade nenhuma, do mundo e arredores, há uma senhora do triciclo como esta!) e a este blog então? Temos que ir dar umas voltas por aí. Combinado? Beijinhos. (MFM)




Dulcinda, a mais pequena de quatro dos sete irmãos.
O segundo é o Ilídio.





26 de setembro de 2018

Almofariz da Belida


O almofariz abaixo veio da quinta da Belida. Na posse actual de Dulcinda Teixeira, diz ela que, sempre que se matava o porco na casa de alguém da família, em Porto da Lage, lá circulava o almofariz para o obrigatório pisar dos alhos.






Da Quinta da Belida vieram todos os Sousa Rosa, alguns já lá nascidos, que deram origem a muita gente que, sei, acompanha este blog. Além dos abaixo retratados, houve mais quatro, dois Antónios, um das Sobreiras que tem muita descendência no Paço, o outro, casado com a tia Florência; Manuel, ascendente do dr. Manuel Rosa, da Luciana e Isaura Rosa e dos Tomás; e Ana, com descendentes Escudeiro em Porto da Lage. A todos apelo que me facultem fotos dos antepassados. Fiquem descansados! não quero originais, até prescindo de papel, uma digitalização basta! Deixem recado aqui nos comentários e a gente combina a forma de me fazerem chegar, até, como se dizia nos anúncios antigos, vou a casa, se for preciso!
Acharia interessantíssimo e de grande valor para a história familiar e local, reunir as fotografias dos sete filhos de um homem  hoje anónimo, mas com valor no seu tempo, possuidor de um património que deu origem ao nascimento de uma localidade. E depois, seria curioso saber se são todos assim: de sobrolho carregado, olho claro, lábios finos e, bem sei que não é feição por isso não desfeia, nariz que sobeja! (MFM)

     

Soledade Sousa Rosa (Assentis1861- PL 1947)



Maria José Sousa Rosa (Assentis 1864- PL1937)



João de Sousa Rosa (Quinta da Belida,1867- Cem Soldos,1958).
Recorte de uma fotografia de grupo da família Mendes Godinho,
de 1947,  em Cem Soldos,  gentilmente cedida por Manuel Mourão.